Hoi An, no Vietnã, é um templo de charme e delicadeza

Era fim de tarde do meu primeiro dia no Vietnã e decidi fazer aquela caminhada inicial de exploração no entorno do meu hotel, o Anantara, que fica bem ao lado do Centro Histórico. Eu estava em Hoi An, uma cidade colonial tombada como Patrimônio da Humanidade pela Unesco mas pouco visitada por brasileiros – que conhecem mais as metrópoles de Hanói e Ho Chi Min (a antiga Saigon) e a fantástica baía de Halong.

 

Ruas do Old Town de Hoi An à noite (crédito Daniel Nunes/Same Same)
Ruas do Old Town de Hoi An à noite (crédito Daniel Nunes/Same Same)

 

Assim que adentrei as ruas de paralelepípedos da Old Town, a Cidade Antiga, sempre fechadas ao trânsito motorizado, já me senti entrando em uma redoma de paz. Afinal, o enxame de motocicletas que buzinam o tempo todo no Vietnã tinha ficado para trás. Aos poucos me vi cercado por casarões e sobrados preservados de quando aquele era um importante porto do Sudeste Asiático, entre os séculos 15 e 19. Hoje ocupadas por cafés, restaurantes, galerias de arte e lojas, as construções incorporaram nas decorações internas e nas fachadas um costume oriental que se tornou o símbolo de Hoi An: as lanternas coloridas. Bastou a noite ameaçar chegar e as luzes foram sendo acesas uma a uma, enchendo meu caminho de cor e magia.

 

Lanternas coloridas à venda nas ruas de Hoi An (crédito Daniel Nunes/Same Same)
Lanternas coloridas à venda nas ruas de Hoi An (crédito Daniel Nunes/Same Same)

 

O encantamento de boas-vindas estava só começando e se prolongaria pelos meus cinco dias ali. A começar pela surpresa daquele primeiro entardecer – que não tinha acabado. Quis me perder entrando em uma viela e me deparei com uma cena inesquecível. Do alto da pequena ponte que conecta o bulevar na beira do Rio Thu Bon com o mercado noturno da ilhota vizinha de An Hoi, dezenas de pessoas soltavam na correnteza umas espécies de barquinhos coloridos de papel com velas acesas.

 

Ritual de acender velas em barquinhos de papel em forma de flor de lótus (crédito Divulgação Hotel Anantara Hoi An)
Velas em barcos de papel em forma de flor de lótus (crédito Divulgação Hotel Anantara)

 

Eu já tinha visto antes algumas fotos daqueles arranjos em forma de flor de lótus flutuando entre os barcos do cais, mas acreditava se tratar de um ritual raro. No dia seguinte, meu guia Nguyen Van Trieu me explicaria: os visitantes têm repetido diariamente a cerimônia de encaminhar desejos a Buda que antes só era feita pelos nativos em datas especiais. Sorte de quem está lá na lua cheia: dizem que o comércio desliga suas luzes para que apenas as velas dos rios sejam o destaque no cenário de sonhos de Hoi An.

 

Meu ótimo guia, Nguyen Trieu (crédito Daniel Nunes/Same Same)

 

Ninguém diz exatamente quando a tradição teve início. Sabe-se apenas que o comércio fluvial no estuário do Rio Thu Bon data do século 7, quando o império do povo Cham dominava a região. “Hoi An sobreviveu incrivelmente aos muitos conflitos que o Vietnã tem vivido, ao longo da história, com países como China, Japão, França e Estados Unidos”, me contaria o guia Trieu, durante a caminhada histórica pela fascinante Old Town.

 

Ponte japonesa IMG_7758
A Ponte Japonesa, que aniversaria em 2017

 

A parada principal do tour, a Ponte Japonesa, por sinal, comemora 400 anos em 2017. Restrita a pedestres e com um altar a Buda em seu anexo, a ponte um dia dividiu Hoi An em chineses para um lado, japoneses para outro. E até hoje serve de fundo para as pomposas fotos dos casais de noivos da região.

 

Noivos posando para fotos: um clássico local (crédito Daniel Nunes/Same Same)
Noivos posando para fotos: um clássico local (crédito Daniel Nunes/Same Same)

 

Desde que Hoi An abriu suas portas ao turismo, nos anos 1990, quando se libertou do embargo imposto pelos Estados Unidos ao país desde a Guerra do Vietnã, antigos inimigos passaram a conviver em harmonia no ambiente cosmopolita de Hoi An.

 

Templo chinês com incenso gigantes (crédito Daniel Nunes/Same Same)
Templo chinês com incenso gigantes (crédito Daniel Nunes/Same Same)

 

Os chineses costumam constatar sua influência cultural nos muitos templos budistas. Japoneses adoram circular e fotografar sentados em algo parecido com um carrinho de bebê para adultos, sempre empurrados pela bicicleta de um vietnamita. Já os franceses se orgulham por terem inspirado a boa mesa em Hoi An. E os americanos são os campeões das encomendas de roupas sob medida nas muitas alfaiatarias da cidade.

 

Detalhe do passeio no barco do Anantara Meu ótimo guia, Nguyen Trieu (crédito Daniel Nunes/Same Same)
Detalhe do passeio no barco do Anantara (crédito Daniel Nunes/Same Same)

 

Sete em cada dez habitantes vivem do turismo, conduzindo sempre de forma doce e sorridente os visitantes em passeios de barco (os noturnos são os mais charmosos), nas pedaladas até a praia no Mar do Sul da China (a 5 quilômetros dali, cruzando arrozais) e atendendo em lojas bacanas que vendem de pôsteres originais de inspiração socialista até réplicas dos lendários barcos que ancoraram no mítico porto de Hoi An.

 

Pedalada pelas ruas rumo à praia: supercool Meu ótimo guia, Nguyen Trieu (crédito Daniel Nunes/Same Same)
Pedalada pelas ruas rumo à praia: supercool  (crédito Daniel Nunes/Same Same)

 

Eu fiz e recomendo de tudo um pouco – os passeios, as roupas, a pedalada… E, é claro, o lindo ritual das velas no rio para perpetuar a tradição.

 

Minha vez de acender velas e soltar no rio (crédito Daniel Nunes/Same Same)
Minha vez de acender velas e soltar no rio (crédito Daniel Nunes/Same Same)

 

SANTUÁRIO DE MY SON: VALE A ESTICADA

Investi um dia da minha estada em Hoi An para uma bela esticada: a visita ao Santuário de My Son. Localizada a 1 hora de Hoi An, My Son consiste em várias ruínas arqueológicas da antiga capital política e espiritual do Império Champa, do povo Cham, que habitou essas montanhas entre os séculos 4 e 13. Com pequenas torres e culto a deuses hindus, elas fazem lembrar a arquitetura de Angkor, os fantásticos templos do vizinho Camboja, e se tornaram outro Patrimônio da Humanidade vietnamita.

 

Santuário de My Son, relíquia a 1 hora de Hoi An Meu ótimo guia, Nguyen Trieu (crédito Daniel Nunes/Same Same)
Santuário de My Son, relíquia a 1 hora de Hoi An (crédito Daniel Nunes/Same Same)

 

Serviço:

Durma bem

Dúvida crucial na hora de reservar seu hotel: é melhor ficar na cidade ou na praia? Eu optei pelo Anantara Hoi An, coladinho no Centro Histórico, que fica à beira-rio e está a poucos passos das principais atrações de Hoi An.  E amei. Quem preferir o sossego e a brisa à beira-mar pode conferir a nova faceta do The Nam Hai, que em dezembro passou a integrar a seleção dos hotéis da rede Four Seasons.

Hotel Anantara Hoi An: meu abrigo à beira-rio (crédito Daniel Nunes/Same Same)

 

Coma bem

O The Morning Glory (106 Nguyen Thai Hoc St) é um clássico: amplo, mistura especialidades vietnamitas (como o cao lau, uma sopa de noodles com carne de porco) com pratos internacionais. Menor e escondido, o NU Eatary (10A Nguyen Thi Minh Khai St) comporta no máximo 20 pessoas e serve só delícias locais em ambiente caseiro.

Nu Eatary: fui duas vezes de tanto que gostei (crédito Daniel Nunes/Same Same)
Nu Eatary: fui duas vezes de tanto que gostei (crédito Daniel Nunes/Same Same)

 

Para uma experiência ímpar, tome um chá em silêncio no Reaching Out e seja servido pelo simpático staff só de moças surdas-mudas.

Reaching Out, o chá das surdas mudas: experiência inesquecível
Reaching Out, o chá das surdas mudas: experiência inesquecível

 

Viaje bem

Não existem voos diretos entre Brasil e Vietnã. A rota mais corriqueira é via Bangkok, na Tailândia, servida por várias companhias aéreas brasileiras. Da capital tailandesa, sim, voa-se, sem escalas em voos de 1h40, à Danang, cidade a 30 quilômetros de Hoi An. A viagem pelo Vietnã pode ser incrementada se incluir Hanoi, Halong Bay e Ho Chi Min.

Comércio local: tudo cheio de graça (crédito Daniel Nunes/Same Same)
Comércio local de roupas: tudo cheio de graça (crédito Daniel Nunes/Same Same)

 

Código de ética Same Same: o jornalista Daniel Nunes viajou ao Vietnã por sua conta e pagou suas despesas em Hoi An de transporte, alimentação e passeios. A hospedagem no hotel Anantara Hoi An foi uma cortesia.

Cultura maori é uma boa surpresa da Nova Zelândia

Nariz com nariz. Não estranhe se você pousar na Nova Zelândia e se deparar com gente se cumprimentando assim.

 

Hongi nose to nose maori

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Este é o hongi, tradicional saudação dos maori, primeiros habitantes da ilha. Eles acreditam que o homem, Deus e a natureza são uma coisa só, e sentir a respiração do outro é uma forma de comungar o sopro sagrado da vida. Depois de ter sido rechaçada em meados do século 20, a cultura maori está em voga. Não só entre seus descendentes de sangue, muitos com lindas tatuagens tribais pelo corpo – às vezes, até no rosto dos homens e no queixo das mulheres, como reza o costume secular.

 

Lago aérea Nova Zelândia

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O resgate do orgulho maori tem contagiado também os brancos cujos antepassados são os europeus, em especial os britânicos, que colonizaram o país. A língua maori voltou a ser ensinada nas escolas, pelo menos duas grandes exposições sobre sua arte estão rodando o mundo – uma delas chega ao Brasil em outubro – e até sua dança cerimonial, a haka, ganha mais e mais adeptos desde que passou a ser popularizada pelo poderoso time de rúgbi local, o All Blacks.

 

DSC03019

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Jovem, o último país a ser povoado no planeta tem o respeito à natureza e o fascínio pela aventura no DNA. Ali nasceu Sir Edmund Hillary, primeiro homem a escalar o Everest, em 1953. As paisagens do país sediaram o primeiro bungee jump do planeta, em 1988. E a fascinante diversidade natural neozelandesa seduziu o mundo, nos últimos 15 anos, com as trilogias de O Senhor dos Anéis e O Hobbit. A terra sagrada dos maori respira vida.

 

Road Trip New Zealand

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Entrada pela ilha Norte
(ou Ao Norte, o mar)

É na ilha Norte, a mesma onde chegaram os primeiros desbravadores polinésios no século 13, que desembarcam os viajantes do século 21 dispostos a explorar a enorme variedade de ecossistemas desse pequeno território da Oceania.

 

Aérea de Bay of Islands
Bay of Islands, vista durante sobrevoo pelas ilhas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Auckland, maior cidade do país, tem 1,5 milhão de habitantes e traduz bem a faceta contemporânea tanto da porção Norte quanto da ilha Sul. Ao mesmo tempo em que seu centro cosmopolita à beira-mar esbanja soluções urbanas criativas e sustentáveis, pode-se ver ali as seculares danças maori apresentadas no Auckland Museum (o mesmo que guarda o diário de bordo de Sir Hillary no Everest).

 

Águas verdes Bay of Islands

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O espetáculo cultural se mostra mais completo para quem dirige por 3 horas ao extremo da ilha Norte e visita o Waitangi Treaty Grounds. Localizado onde a sucessão de ilhas de Bay of Islands leva ao delírio mergulhadores e amantes de praias de sonho, Waitangi é o principal sítio histórico da nação. Em 1840, 540 líderes maori assinaram ali o primeiro acordo com os colonizadores ingleses – e que lhes garantia, entre outras coisas, a posse da terra.

 

carranca maori

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Essa e outras histórias são contadas por meio de música, de canto e da haka – a dança maori – diante de uma casa cerimonial. Também em exposição está uma waka, canoa de guerra com 35 metros e que precisa de 76 remadores para entrar na água. Os maori sempre guiaram sua navegação pelas estrelas, e há apenas dois anos empreenderam uma expedição, a Waka Tapu, navegando sem instrumentos da Nova Zelândia à Ilha de Páscoa.

aucklandmuseum.com
waitangi.org.nz
wakatapu.com

 

performance maori waitangi
Performance Maori em Waitangi

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Coração cultural
(ou No centro, o fogo)

Seja de barco ou de helicóptero, dá um frio na barriga se aproximar da fumaceira expelida do vulcão da White Island, embranquecendo o céu sobre o azul do Pacífico.

 

 

White Island visto de longe

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Bolhas de lama cinza-chumbo fervem no chão, o cheiro ruim impera, o enxofre amarelo colore o chão laranja à beira da cratera de águas verdes.

 

Vulcão borbulhante White Island

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O mais ativo dos cerca de 60 vulcões do país pode ser acessado a partir de Rotorua, cidade 3 horas de carro ao sul de Auckland.

 

helicopt White Island

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Famosa por seus spas com poços de águas termais, Rotorua é lar de boa parte dos quase 600 mil maoris do país, que correspondem a 15% da população.

 

Te Puia geral
Gêiseres no Te Puia

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A cidade fica no vale geotermal de Whakarewarewa, bem em cima do chamado Anel de Fogo do Pacífico, e sempre impressionou por seus gêiseres. O famoso Pohutu, que jorra a 30 metros de altura 20 vezes por dia, é a estrela do Centro Cultural Te Puia, espécie de QG maori onde funciona sua escola de escultura em madeira e tecelagem, além de uma bela loja de artesanato.

 

Artesão maori

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os maori demonstraram uma imensa capacidade de adaptação nesses 700 anos e nunca pararam no tempo. O canibalismo e o poligamia viraram coisa do passado. “Temos representantes no parlamento, canal de tv, estações de rádio”, diz Karl Johnstone, diretor do Maori Arts and Crafts Institute (MACI).

 

Casa maori

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

“Não somos uma cultura ancestral, mas sim um legado vivo”. Antenados nas tendências, sabem explorar seu potencial turístico. Quem visita o Te Puia degusta a comida típica (frango, legumes) cozida em caixas de alumínio dentro daqueles caldeirões naturais ferventes. Uma experiência gastronômica sem igual.

tepuia.com

 

 

Chef Te Puia

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nas profundezas do Sul
(ou Ao Sul, o abismo – ou a floresta)

Já teve vontade de sair voando? Basta chegar à beira dos precipícios espetaculares de fiordes como o famoso Milford Sound, cartão-postal da Nova Zelândia, para entender por quê o bungee jump só poderia mesmo ter nascido no templo natural dos maori.

 

Bungee Jump New Zealand

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Dona também de paisagens encantadoras como os glaciares de Franz Josef e Fox e as trilhas à beira-mar do Parque Nacional Abel Tasman, a ilha Sul tem vocação para esportes de natureza.

 

Cachoeira Milford Sound
Cachoeira em Milford Sound

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Se os primeiros saltos de abismos começaram na ponte Kawarau, com 43 metros de profundidade, hoje as distâncias se multiplicaram: dá para saltar de 47 e de 134 metros, se lançar em pêndulos, fazer skydive.

 

Passeio de jet boat
Adrenalina no passeio de jet boat

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Desde 1965, adrenalina é palavra de ordem também no passeio de jetboat. “Aceleramos a 85 quilômetros por hora entre cânions de 40 metros de altura”, explica Wayne Paton, que em 2014 fez gritar de emoção naquelas águas azuis até o jovem casal real britânico, o Príncipe William e a Kate Middleton.

 

Neve Milford
Parada em topo de montanha nevada durante sobrevoo na região de Milford Sound

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A charmosa Queenstown, cercada por montanhas nevadas e que descansa à beira do lago azul Wakatipu, é a base para explorar desde os fiordes (de barco, de helicóptero ou em caminhadas de vários dias) até locações de O Senhor dos Anéis e O Hobbit.

 

Queenstown beira lago
Beira-lago na charmosa Queenstown

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ao final de cada dia de atividade ao ar livre, amantes da natureza de todo canto do mundo transformam os 120 bares e restaurantes da pacata Queenstown em um pico de agito. E não se surpreenda se, no caminho da balada, você se deparar, como eu, com um grupo de neozelandeses gritando e simulando a haka na rua. É apenas o orgulho maori de ter nascido em uma terra tão especial.

bungy.co.nz
shotoverjet.com
milford-sound.co.nz

 

Garimpeiro Nova Zelândia

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

INFO: newzeland.com; tourismnewzealand.com

FOTOS: Todas as fotos desse post foram produzidas por Daniel Nunes/@samesamephoto

 

Eagle's Nest Hotel
Vista da sacada de um único apartamento do Eagle’s Nets, em Bay of Islands

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ONDE DORMIR:

Auckland: hilton.com
Bay of Islands: eaglesnest.co.nz
Rotorua: solitairelodge.com
Queenstown: matakaurilodge.com

Matakauri Hotel Nova Zelandia
Vista interna do hotel Matakauri

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

OUTRAS CURIOSIDADES:

Rúgbi ao vivo
A haka foi celebrizada internacionalmente graças às apresentações feitas mundo afora pela seleção neozelandesa de rúgbi, apelidada oficialmente de All Blacks. Se tiver oportunidade, assista ao vivo a uma partida do esporte número 1 do país. Em 17 de julho eles enfrentam a Argentina em Christchurch, e em 15 de agosto acontece o jogo contra a Austrália em Auckland.
allblacks.com

 

Paisagem vista a partir das sacadas do quartos do Matakauri
Paisagem vista a partir das sacadas do quartos do Matakauri

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Arte maori no Brasil
O Brasil também viu ao vivo a exposição Tuku Iho – Legado Vivo, que já difundiu a arte maori na China e na Malásia, e que em 2015 está excursionando pela América Latina. Mais de oitenta peças esculpidas em materiais como madeira, bronze e pedra fizeram sucesso em Santiago, em Buenos Aires e no Rio de Janeiro.

Telas na República Checa
Depois de atrair 145 mil pessoas à Nationalgalerie, em Berlim, por cinco meses de 2015, a série de 44 retratos do povo maori pintados na virada do século 19 para o 20 pelo artista checo Gottfried Lindauer (1839–1926) chegou ao berço do artista. A exibição estará no West Bohemian Museum, em Pilsen, a cerca de 90 quilômetros de Praga, até 20 de setembro.
plzen2015.cz/en/

 

Helicóptero Nova Zelândia

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Do alto é (ainda) mais bonito
A natureza neozelandesa dá um show quando vista de cima, em sobrevoos de helicóptero. Na Ilha Norte, a Salt Air sobrevoa as ilhas de Bay of Islands e pousa em uma rocha no meio do mar. A VolcanicAir leva desde Rotorua até o vulcão de White Island. E poucas cenas são tão lindas na vida quanto a que se vê no voo da Over the Top desde Queenstown até os fiordes de Milford Sound.
saltair.co.nz
volcanicair.co.nz
flynz.co.nz

Onde está o kiwi?
Engana-se quem pensa que os neozelandeses ganharam o apelido de “kiwis” por cultivarem a fruta homônima. Quem também tem esse nome é um pássaro bicudo que não voa e tem hábitos noturnos. Dificilmente alguém vê um deles fora de cativeiro (há alguns no Te Puia, o parque maori de Rotorua). A ilha Stewart, no extremo sul, é o melhor lugar pra encontrá-los soltos na natureza.

 

White Island em quadro
Ruínas em White Island

Renascida das ondas

Aconteceu em 2547. Uma onda de 30 metros de altura ergueu-se no litoral do antigo Reino do Sião e avançou terra adentro. Destruiu casas, afogou pessoas, engoliu o que viu pela frente — e de forma tão avassaladora que pareceu deixar o lugar irrecuperável. Descrito assim, parece até uma lenda remota. Mas o ano de 2547 da era budista equivale ao 2004 do calendário gregoriano ocidental, e o velho Sião nada mais é que o atual Reino da Tailândia, onde morreram 8 mil vítimas do gigantesco tsunami do Oceano Índico – entre eles, 2 mil turistas de 16 países.

 

P1130385

 

Nove anos se completaram no último dia 26 de dezembro de 2013 – ou de 2556, como preferem os súditos do rei Bhumibol Adulyadej, no trono desde 1946. E, para surpresa dos visitantes que têm desembarcado anualmente no antes devastado litoral sul do país (mais de 5 milhões de pessoas, um recorde nunca atingido antes da tragédia), a região parece absolutamente recuperada. Sua nova face é fundamental para que a Tailândia, que já recebe 19 milhões de estrangeiros por ano, dobre até 2016 os dividendos trazidos pelo turismo.

Busquei evidências dessa renovação desde que pousei, em junho, vindo da capital Bangcoc, no aeroporto de Phuket, principal base para explorar as idílicas praias tailandesas. Já no caminho para o hotel percebi que a cidade que me recebia com sorrisos não mais chorava seu passado triste. Os pontiagudos templos e imagens de Buda se exibiam aqui e ali, turistas chineses e americanos aproveitavam os preços baratos do comércio para encherem suas sacolas com roupas e artesanato nos arredores da agitada praia de Patong, outdoors anunciavam brutas lutas de muay thai e delicadas apresentações de dança e música típicas.

 

tai 3

 

 

Em meio a muitas obras pelas ruas, a hotelaria se renovou de forma a não preservar qualquer resquício dos tempos de abalo – quando seis da cada dez hotéis desapareceram em praias como Khao Lak e Ko Phi Phi (esta última celebrizada mundialmente pelo filme A Praia, protagonizado por Leonardo Di Caprio). Com cerca de 50.000 leitos na região de Phuket, os hotéis disputam qual é o mais cênico e original, qual ostenta mais luxo, qual traduz melhor a alma exótica e tropical da Tailândia.

 

P1130552

 

No alto dos abismos da Baía de Kamala, o staff do exclusivíssimo hotel Paresa nos recebeu com água de coco gelada e toalhinha refrescante no check-in – além de 270 graus de visão do Mar de Andaman. Seu azul se confundia com o das piscinas de vista infinita (presentes na maioria das 49 acomodações, assim como as máquinas de café expresso e os tocadores de mp3). O spa, naturalmente, oferecia o que a Tailândia tem de melhor: suas massagens incríveis. E, em meio ao cenário vertiginoso avistado de qualquer parte, um conforto especial: estar a uma altura que tsunami algum alcançaria.

 

tai4

 

O ambiente desse e do outro hotel chique que eu conheceria – o premiado The Sarojin, na província vizinha de Phang Nga – não esconde ter sido pensado especialmente para casais em lua de mel (7% dos turistas do país). No The Sarojin, tudo inspira romantismo. A começar da iluminação dos restaurantes: um deles tem pé-na-areia e apresentações culturais noturnas à luz de tochas, outro fica colado a um bar com degustações de surpreendentes vinhos tailandeses. Os terraços contam com piscinas privadas. E, orgulho nacional, a gastronomia tailandesa mescla com perfeição os sabores salgado, doce, azedo e picante em receitas que usam e abusam de curries, coco, capim-limão – vale a pena investir em algumas das aulas de culinária oferecidas nos hotéis.

 

P1130283

 

Por mais simpáticos que sejam os funcionários dos hotéis e restaurantes, eles jamais se arriscam a falar a palavra “tsuna…”. Por culpa do dito cujo, todo mundo perdeu alguém querido. Os turistas respeitam. E deixam para trocar ideias sobre os bons prazeres dos mergulhos nas ilhas Similan e Surin, as escaladas em rocha em Krabi, os passeios de caiaque e escuna entre as cavernas marinhas e altas rochas da Baía de Phang Nga (onde fica a ilhota onde foi gravado 007 Contra o Homem com a Pistola de Ouro) ou os passeios em lombo de elefantes, animal reverenciado nacionalmente por ser símbolo de sabedoria e força. Não são poucos os relatos, por sinal, desses mamíferos emitindo sons estranhos de alerta ou fugindo para o alto das montanhas horas antes da chegada do tsunami de 2547 – ops, de 2004 –, em uma suposta evidência de que teriam sensibilidade para captar com antecedência as vibrações de terremotos como os que originaram aquele tsunami.

 

tai sul

 

 

Quase uma década depois do susto, os elefantes do litoral tailandês caminham em paz e são bem treinados para divertir os turistas – o meu nem se importou de cruzar um riacho e me dar um belo banho. Nas ruas do centro ou nas vilas de pescadores, só o que faz lembrar a tragédia são os alto-falantes e placas que orientam rotas de fuga para o caso de – toc, toc, toc – algo parecido voltar a ocorrer. Em todos os dias em que viajei por ali, a única lembrança física que encontrei (além das reconstruções impecáveis da infraestrutura turística) foi um simplório memorial do tsunami erguido em torno de um barco policial que foi empurrado a quase 2 quilômetros da praia de Khao Lak.

Felizmente, do mesmo jeito que veio, a onda se foi. E as praias da Tailândia, agora voltadas para o futuro, continuam a encantar seus visitantes.

 

P1130532

 

MEMORIAL Única lembrança do tsunami de 2004 facilmente visitável a partir da praia da Khao Lak, o barco policial 813 Buretpadungkit foi empurrado a quase 2 quilômetros da praia. Hoje, diante dele, uma barraca despojada vende livros e exibe placas recontando uma das maiores tragédias da história recente da humanidade, que matou 230 mil pessoas em 14 países.

 

P1130627

 

ONDE FICAR   PARESA Resort de luxo localizado no alto do morro na Baía de Kamala, com visão panorâmica do mar e dois restaurantes. Incríveis piscinas de vista infinita. 49 Moo 6, Layi-Nakalay Road, Kamala Kratu, tel. +66/76 30-2000, paresaresorts.com   THE SAROJIN Térreo, de frente para o mar, o hotel cinco estrelas fica na Baía de Phang Nga e também conta com dois restaurantes. Fácil acesso para pontos de mergulho. 60 Moo 2, Kukkak, Takuapa, tel. +66/76 427-9004  

ONDE COMER RAYA THAI CUISINE Despojado restaurante familiar de comida típica tailandesa localizado em um sobrado de arquitetura sino-portuguesa. Capricha nos frutos do mar. 48 New Debuk Rd., Muang Phuket, tel. +66/76 23-2236  

ONDE PASSEAR SEA CANOE Passeios de barco e de caiaque feitos a partir de Phuket que exploram a Baía de Phang Nga e a região de Krabi. 125/461 Moo 5, T. Rassada, A. Muang, tel. +66/76 5288-3940, seacanoe.net  

AGRADECIMENTOS ESPECIAIS: Embaixada Real da Tailândia – thaiembassybrazil.com; Tourism Authority of Thailand – tourismthailand.org

A benção, Carrancas

O ritual é orquestrado pelo sino da igreja matriz e se repete todos os finais de tarde. Quando o relógio eletrônico da Igreja Nossa Senhora da Conceição das Carrancas dispara o som das badaladas das 6 horas, a cidade inteira se altera. Um a um, homens e mulheres de todas as idades se benzem com o sinal-da-cruz, alguns deles se ajoelhando, outros tirando o chapéu. As conversas são interrompidas, os olhares silenciosos ficam jogados ao chão, num típico sinal de fervor católico pouco visto mesmo em pequenos povoados tradicionais do interior do Brasil. No simpático centrinho de Carrancas, onde vivem 1500 de seus 4000 habitantes – os outros ainda moram na roça –, tudo gira em torno da velha igreja de 1721: dos passeios dos jovens no sábado à noite às duas procissões semanais que acontecem durante a quarentena preparatória da Páscoa. A maior parte da população freqüenta as missas do padre Jair, segue os jejuns e as penitências recomendados por ele e comemora os dias de santo com festas como o Congado e a Folia de Reis. Para que ninguém se esqueça da força dessa tradição religiosa, o som do sino dispara a cada quinze minutos, 24 horas por dia. Ninguém estranha, nem os moradores dos arredores da praça, que dormem sem se incomodar com o barulho.

(foto de Andréa D’Amato, www.andreadamato.com.br)

”Carrancas é apenas o reflexo do paraíso celeste. E os paraísos devem ser protegidos.“ Numa linguagem bem adequada aos fiéis locais, essa frase foi pintada numa faixa em frente à igreja e resume bem o casamento entre a religião e a natureza dessa pacata cidadezinha de Minas Gerais. “Queremos alertar a população para a necessidade de proteger nossas cinqüenta cachoeiras e dezenas de grutas”, explica Maria Célia Barbosa, 41, a Macé, criadora da associação Amigos do Meio Ambiente (AMA) de Carrancas. Única ONG ecológica local, a AMA assumiu a missão de conscientizar a população da riqueza da vegetação de cerrado e de floresta tropical, da beleza do chapadão do Salto que se impõe logo na entrada de Carrancas e da fartura das nascentes espalhadas pela Serra de Carrancas e por outras sete montanhas que circundam o povoado. Localizada 280 quilômetros ao sul de Belo Horizonte, a uma altitude de 1200 metros, Carrancas só agora tem despertado para o turismo ecológico, para a necessidade de proteger sua cultura e de evitar a degradação de seu patrimônio natural. ”Não queremos ficar tão populares como São Tomé das Letras”, explica o padre Jair dos Santos Pinto, único pároco da comunidade há 44 anos. Vizinha de Carrancas assim como os municípios de Lavras e São João del Rey, São Tomé ganhou fama de cidade esotérica nos anos 80 e desde então tem recebido um fluxo de turismo ”profano, com abuso do álcool e das drogas”. Líder mais respeitado que o próprio prefeito, padre Jair, de 69 anos, está implementando a Pastoral do Turismo. O objetivo é proteger a cidade. Independentemente disso, os visitantes de Carrancas já respeitam a religiosidade bela e simples desse povo.

A cidade acorda ao som dos galos, com carroças trazendo os latões de leite e o cheiro de fogão a lenha que vem das cozinhas. E muito verde ao redor.

Embora tenha uma geografia parecida e relatos semelhantes de aparição de discos voadores, Carrancas conta com uma rotina bem diferente daquela dos remanescentes hippies de São Tomé. E também não é um paraíso natural habitado ou freqüentado por beatos radicais. Mais que uma simpática cidadezinha mineira onde se produz pinga em dezesseis alambiques rústicos e onde quase todo mundo que tem vaca na fazenda faz seu próprio queijo, Carrancas esbanja uma cultura regional marcante. Os cruzeiros no alto de suas montanhas são visitados por procissões nos principais dias de santo. Com o mesmo fervor, as festas dos dias de Reis, de Nossa Senhora da Conceição, da Boa Morte e do Rosário mobilizam dezenas de moradores nas emocionantes apresentações do Congado, da Folia de Reis e do desfile de cavaleiros. E, despreocupada com a badalação, Carrancas não comemora a mais brasileira das festas, o Carnaval, como o resto do país. Há sessenta anos, durante o feriado, a população masculina se fecha em retiro espiritual. ”Para salvar a alma, as pessoas precisam afastar-se dos maus hábitos”, prega o padre Jair. Os visitantes que chegam a Carrancas no Carnaval desfrutam, portanto, de dias tranqüilos.

Calmaria maior se repete nos dias da semana. Carrancas acorda sob o canto dos galos, com carroças trazendo os latões de leite nas portas das casas e cheiro de fogão a lenha vazando das cozinhas. Os alto-falantes da igreja vão denunciando cada quarto de hora com sons diferentes – e poucas pessoas da cidade têm relógio, já acostumadas que estão a essa comodidade. Como não há rádio local – nem banca de jornais, nem mercado, nem rodoviária –, o sistema de som da igreja é usado para dar recados, comunicar fatos importantes e anunciar a agenda religiosa. Na roça, os carros de boi que ainda são utilizados para carregar dezenas de espigas de milho fazem lembrar os bons tempos em que a vila de Nossa Senhora de Conceição das Carrancas era apenas uma passagem dos bandeirantes em busca de ouro, como quando foi criada, em 1713. O mundo deu voltas, o ouro ficou irrisório e Carrancas ganhou independência de Lavras, virando cidade cinqüenta anos atrás. Atualmente, com a crise de preços que tem tornado inviável a criação de gado leiteiro, a nova localidade começa a vislumbrar sua salvação no turismo.

Belezas desconhecidas. “Desde pequena não visito uma cachoeira daqui”, conta, envergonhada, a moradora Alexandrina Jesus Ferreira, 59 anos. Integrante da turma de oração da igreja, ela reza o terço todos os dias e faz parte do enorme grupo de moradores que não conhece as maravilhas do lugar. O artesão Antônio Francisco Resende, o Peroba, de 45 anos, também não costuma sair do centro. Ele é um dos dois únicos artistas locais – o outro é Joel José Mansur, 58 – que se dedicam a lapidar troncos de cedro e jacarandá para fazer as famosas carrancas que dão nome ao lugar. Se ele se inspirou nas carrancas feitas comumente no Rio São Francisco? “Não, vi algumas sendo vendidas em São João del Rey e decidi fazer algo parecido”, explica Peroba, com seu sotaque mineiro. As carrancas que deram nome à cidade, no entanto, são outras. Conforme se diz na cidade, a vila de Carrancas ganhou esse nome por causa da grande quantidade de pedras sobrepostas que fazem lembrar rostos humanos.

(foto de Andréa D’Amato, www.andreadamato.com.br)

Mais que o artesanato e as festas, a natureza de Carrancas continua a dar o mesmo espetáculo que impressionou o botânico francês Auguste de Saint-Hilaire, que por ali passou em 1822. Não faltam cachoeiras de água cristalina, como a da Zilda, com 10 metros de altura, e o Poço Esmeralda, de água esverdeada. Nas grutas de quartzito da Cortina e da Toca, clarabóias surgem enfeitadas por cortinas de cipós, permitindo que árvores de 10 metros de altura ergam suas copas no alto das cavernas. Sobre uma imensa placa de gnaisse, Carrancas esconde muitos buracos profundos entremeados por belas clareiras. Maritacas, gaviões e até veados podem ser avistados. E as inúmeras nascentes das serras alimentam os rios Capivari, Grande e Pitangueiras, os maiores que cruzam a cidade. Todos os passeios ficam a cerca de meia hora de carro a partir do centro, não exigindo muito mais que meia hora de caminhada. Além disso, quaresmeiras e ipês costumam florir os campos das serras.

Nenhuma aventura, no entanto, estimula tanto os fanáticos por adrenalina como a exploração da Racha da Zilda. Trata-se do final do estreito cânion por onde corre a Cachoeira da Zilda, mas que só pode ser acessado por quem tiver força física para enfrentar a correnteza contrária e suportar a água forte e gelada. Diz a lenda que Zilda era uma bela moça que tinha o hábito de banhar-se nua na cachoeira nos fins de tarde. Zilda desapareceu, mas há quem acredite que até hoje ela pode ser vista no local. Seria afronta demais para uma cidade pacata que se orgulha de sua cultura católica e tradicional. Mas é mais uma história curiosa de como as lendas da cultura regional de Carrancas contrastam bem com a magia de sua natureza exuberante.

 

Para Ir Mais Longe

A Freguesia de Nossa Senhora da Conceição das Carrancas e Sua História, de Marta Amato, Ed. Loyola (tel. 0_ _11/914-1922), detalhado relato da história da cidade.

 

FESTAS CRISTÃS

 

Há quatro eventos anuais marcantes em Carrancas: Folia de Reis, de 24 de dezembro a 6 de janeiro. Procissão festiva em que dezenas de homens cantam e tocam de casa em casa. Dançam também o Congado. Paixão de Cristo, durante a Páscoa. Depois dos dias de quarentena sem Carnaval, cinqüenta jovens encenam a Paixão na praça e na igreja. Nossa Senhora da Boa Morte, em 15 de agosto. Mais de 300 cavalos e pessoas enfermas recebem a bênção do padre Jair.

Nossa Senhora da Conceição, em 8 de dezembro. Festa com quermesse e apresentação da dança africana do Congado.

 

GUIA DA TERRA

Como chegar

Carrancas fica a 275 quilômetros de Belo Horizonte, a 370 do Rio de Janeiro e a 430 de São Paulo. O caminho mais fácil é pela Rodovia Fernão Dias, sentido Lavras, passando por Itutinga e dirigindo por 26 quilômetros de terra.

Quando ir

O tempo é sempre quente de dia (média de 25 graus) e frio à noite (cerca de 10 graus), mas de novembro a março chove mais. Prefira viajar no outono ou na primavera. Leve roupa para as noites frias.

Onde ficar

Melhor que se hospedar numa das cinco pousadas do centro é ficar fora da cidade, sob o céu estrelado. As pousadas Mahayana (foto), tel. 0_ _35/327-1226), e Céu e Serra (tel. 0_ _35/327-1188) cobram diárias de R$ 20,00 por pessoa e ficam ao lado de cachoeiras. A Pousada Sete Quedas (tel. 0_ _35/9979-5280) oferece mais conforto por diárias de R$ 50,00 por pessoa. Há ainda três campings simples ao lado da cidade.

Sabor da roça

Há bons hotéis-fazenda com a rotina da roça: Traituba (tel. 0_ _35/327-1059), Fazenda do Engenho (tel. 0_ _35/327-1059), Recanto da Serra (tel. 0_ _35/327-1192) e Pico do Alto Verde (tel. 0_ _35/344-1300). Perto do centro, o Café da Roça (foto) é imperdível. Custa só R$ 4,00.

Como se programar

Os sites www.idasbrasil.com.br e www.ufla.br/carrancas/ oferecem boas dicas. Em Carrancas, a agência Minas Trilhas Gerais (tel. 0_ _35/327-1227) tem guias para todos os tipos de trilha.

Dica do autor

”Procure visitar Carrancas em uma das datas festivas. A alegria e o entusiasmo das pessoas que participam das danças da Folia de Reis e do Congado são de arrepiar. E a fé simples e verdadeira que elas demonstram nas manifestações religiosas é rara nas grandes cidades.“

Daniel Nunes Gonçalves

 

Publicado na revista Os Caminhos da Terra, edição 97, Maio de 2000