Diante de mim existem dezenas de barquinhos com velas descendo lentamente o rio que passa sob a ponte onde estou. Anoitece aqui na charmosa cidade colonial de Hoi An, no Vietnã, que é toda decorada por lanternas coloridas. É uma cena linda, singela e romântica que todo mundo tem que ver uma vez na vida.

 

Boletim da série Tailândia e Vietnã para o programa Repórter Viageiro, da Rádio Vozes

Últimos textos
Arquivo
Sobre
O blog do Same Same traz relatos dos bastidores das reportagens reproduzidas neste site portfolio. São pequenas histórias que não foram contadas nas revistas em que foram publicadas.
 
sexta-feira, 29 junho 2012
1Z8C6495

Bastou descer do táxi na Patpong Road, a difamada rua das casas de pompoarismo de Bangcoc, para começar o assédio. Os tailandeses enfiavam na nossa cara os “menus” com uma lista de mais de uma dezena de modalidades que poderiam ser assistidas nos mundialmente famosos “ping pong shows”. Eram 23h30 de uma quinta-feira de junho de 2012, as barraquinhas de rua vendiam de vibradores gigantes a estatuetas de Buda e eu viajava com uma moça de respeito, a fotógrafa Andréa D’Amato – o que exigia um cuidado maior nesta missão delicada de visitar estas atípicas casas da luz vermelha da Tailândia. Decidimos ignorar os caras e sair andando pela feira noturna até entender como agir naquela Babel de gente, neons, música estranha e comida de rua com aparência duvidosa.

Leia mais…

 
segunda-feira, 25 junho 2012
P1150652

Era pouco mais de 5h30 da manhã quando a fileira de vinte monges vestidos de laranja se alinhou na esquina de uma das ruas de Luang Prabang, no Laos.

Cada um tinha uma tigela na mão. À medida que os meninos – assim como o velho que seguia na frente – paravam diante de cada uma das senhoras ajoelhadas na calçada, recebiam delas uma porção de arroz, colhida com as mãos mesmo, do mesmo modo que os nativos do país fazem nos almoços e jantares. Guardada a refeição, os monges fechavam seus grandes potes e seguiam em fila indiana até a próxima doadora, fosse naquele ou no quarteirão seguinte.

Fizeram isso por uma meia hora. Foi lindo ver a fé dessas velhinhas, versões budistas das beatas cristãs, juntando as mãos em prece depois do prazer de alimentar cada rapaz. Leia mais…

 
 

DISCLAIMER: Conteúdo protegido por leis de direito autoral. São proibidas quaisquer formas de reprodução, total ou parcial, do conteúdo disponível no website. Criado por Daniel Nunes Gonçalves e Danilo Braga. © Todos os direitos reservados.