Diante de mim existem dezenas de barquinhos com velas descendo lentamente o rio que passa sob a ponte onde estou. Anoitece aqui na charmosa cidade colonial de Hoi An, no Vietnã, que é toda decorada por lanternas coloridas. É uma cena linda, singela e romântica que todo mundo tem que ver uma vez na vida.

 

Boletim da série Tailândia e Vietnã para o programa Repórter Viageiro, da Rádio Vozes

Convite à Viagem

Vê sobre os canais
Dormir junto aos cais
Barcos de humor vagabundo;
É para atender
Teu menor prazer
Que eles vêm do fim do mundo.
– Os sangüíneos poentes
Banham as vertentes,
Os canis, toda a cidade,
E em seu ouro os tece;
O mundo adormece
Na tépida luz que o invade.

Charles Baudelaire (1821-1867), em Convite à Viagem, traduzido por Ivan Junqueira

Edmund Hillary

Os exploradores do passado foram grandes homens e devemos honrá-los. Mas não esqueçamos que o espírito deles sobrevive. Ainda hoje encontramos gente que se aventura pela conquista de um sonho, ou que busca pelo prazer da busca, e não pelo que pode vir a encontrar.

Sir Edmund Hillary (1919-2008), neozelandês, que em 1953 foi o primeiro homem a subir o Everest

Mandela pra inspirar

Eu sou fundamentalmente um otimista.

Não sei se isso vem da minha natureza ou da minha criação.

Ser um otimista é manter a cabeça apontada em direção ao sol

e os pés seguindo adiante.

Existiram vários momentos em que minha fé na humanidade

foi duramente testada,

mas eu não iria e não poderia me render ao desespero. Isso leva à derrota e à morte.

 

(Nelson Mandela,

Prêmio Nobel da Paz)

Sobre igualdade e diferença

“Temos o direito a ser iguais quando a nossa diferença nos 
inferioriza; e temos o direito a ser diferentes quando a nossa igualdade 
nos descaracteriza. Daí a necessidade de uma igualdade que reconheça 
as diferenças e de uma diferença que não produza, alimente ou
 reproduza as desigualdades”

 

Boaventura de Sousa Santos, professor português